Resumo da 1° Reunião do Fórum da ACASA

Na última quarta-feira, 23 de março, aconteceu a primeira reunião do Fórum da Associação de Condutores da Serra do Arrepiados (ACASA), em plataforma online no Google Meet. Após abrir a reunião, o convidado Eduardo Almeida, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de São Sebastião da Vargem Alegre, palestrou sobre Associativismo, qual sua importância, seus pós e contras, abrindo o assunto para a discussão principal da noite que era: é possível ampliar a ASCA para além dos condutores e guias da Serra do Brigadeiro? (a apresentação pode ser acessada por aqui)

Chico da Mata é o novo gerente do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro

Francisco José de Oliveira Ramos, mais conhecido como Chico da Mata, foi nomeado pelo diretor do Instituto Estadual de Florestas (IEF), para o cargo de chefia do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. O decreto foi publicado neste sábado, 19 de fevereiro, no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais.

PARQUE – Trilha das Águas

Onde: A nova ‘Trilha das Águas’, do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, foi inaugurada em agosto de 2021. O trajeto possui 2.100 metros de extensão. Durante o percurso, o turista visitará pequenas cachoeiras e uma área com mesas e bancos para um momento de confraternização e pique nique.

PARQUE – Trilha do Muriqui

Possui 1,1 km de extensão e fica a 100 m de distância da sede. A trilha pode ser percorrida com propósito educativo, pois tem como tema a biodiversidade da mata Atlântica, com destaque para as plantas medicinais e outras espécies da flora e da fauna. Nesse passeio, o visitante poderá ver o muriqui.

PARQUE – Trilha da Lajinha

Possui 500 m de extensão e está a 100 m de distância da sede. Durante a caminhada, pode-se observar a biodiversidade da mata Atlântica. No final do percurso há um jardim de bromélias em uma laje de pedra. No período chuvoso, alguns trechos ficam muito escorregadios, por isso, necessitam de maior atenção durante a caminhada.

PARQUE – Trilha Laje do Ouro

A trilha mede 2,7 km de extensão e 3 metros de largura, do seu início até o encontro com o Córrego do Ouro. A partir daí, ela se torna estreita, chegando a 1 metro em alguns pontos. A topografia do terreno é relativamente plana, de fácil acesso. Durante a caminhada, atravessa-se pequenos cursos d’água, provavelmente de afluentes do Córrego do Ouro. Em alguns trechos, é possível ouvir o rumorejar dos riachos.

PARQUE – Trilha do Carvão

Em todo o percurso, observa-se vegetação típica de Mata Atlântica, predominantemente secundária, com forte presença de bromélias e orquídeas. A alguns metros do início da trilha existe uma bifurcação; a da esquerda dá acesso à Trilha da Lajinha; e a da direita às Trilhas da Serrinha e do Encontro. Próximo a esse entroncamento, a descida é íngreme. Nesse ponto, existe uma escada seguida de passarela de madeira e, logo à frente, blocos de rochas sob um curso d’água.

PARQUE – Trilha do Encontro

Em todo o percurso, observa-se vegetação típica de Mata Atlântica, predominantemente secundária, com forte presença de bromélias e orquídeas. A alguns metros do início da trilha existe uma bifurcação; a da esquerda dá acesso à Trilha da Lajinha; e a da direita às Trilhas da Serrinha e do Encontro. Próximo a esse entroncamento, a descida é íngreme. Nesse ponto, existe uma escada seguida de passarela de madeira e, logo à frente, blocos de rochas sob um curso d’água.

Como Chegar

​As principais vias de acesso ao PESB são a rodovia BR 116 (Rio-Bahia), que percorre os municípios de Muriaé, Miradouro, Fervedouro e Divino; a rodovia BR 262 (Belo-Horizonte-Vitória) que cruza a BR 116 na altura do município de Realeza e a MG-262 que liga Belo Horizonte ao interior da Zona da Mata, além de uma rede de estradas vicinais, pavimentadas ou de terra, que interliga os municípios. Há uma única estrada que corta o parque, ligando as cidades de Araponga e Fervedouro, às margens da rodovia Rio-Bahia, com trechos em estado precário de conservação.